terça-feira, 30 de setembro de 2008

"Uma caixa"

"Uma caixa. Um espaço vazio que possui tampa e no qual você pode guardar tudo. Nele talvez caibam todos os seus sonhos. Seus desejos. Suas frustrações. Suas palavras. Seus medos. Suas misérias. Seus sucessos. Suas lágrimas. Sua realidade. Seu suor. Suas noites não dormidas. Seus sonos. Seus muitos pares de sapatos. Seus espelhos. Seu coração. Sua alma.
A tal caixa dei o nome de Vida."
Para muitos a vida é apenas uma palavra, que passa pela janela. Que pega carona nos ônibus lotados de manhã. Que lhe lembra de que há contas a pagar. Para tantos outros talvez ela seja um estado de espírito. Ou então um estado de aceitação.
É necessário se estar vivo para aprender? Ou é necessário que a vida deixe de existir, em algum ponto, em algum momento, para que aprendamos?
"Minha vida é uma caixa. Escolhi assim, afinal, a cada segundo em que o tempo escorre belo e grotesco de minhas mãos, tenho que fazer uma escolha."
Será que a vida é uma escolha? Será que preciso mesmo escolher estar viva? Ou isto apenas me acontece ao abrir os olhos pela manhã e ver que tudo continua ali, do mesmo jeito que deixei? Ou a vida é apenas uma ilusão, que nos contaram no meio das muitas histórias de dormir?
"Minha caixa é grande. Algumas partes coloridas,vivas. Outras em preto e branco mesmo."
Viver é apenas uma doação? Vivemos por quem? Para nós? Para outros? Para saudar o universo que espera que continuemos sua desevolução?
A partir de qual ínfimo momento deixamos a palavra de lado e passamos a conjugar o verbo? A vida fica ali quietinha, sentada de castigo, até que empunhemos o tal do "viver" e saiamos porta a fora com o pulmão cheio de ar para gritar aos quatro ventos que não se está além.
"Acho que hoje percebi um furo em minha caixa. Não sei o que pode passar por ali. Para fora, talvez eu perca alguma coisa. Para dentro, talvez eu ganhe o que nunca tive."
Caixas. Palavras. Verbos. Nada disso existiria se eu não tivesse aberto meus olhos hoje pela manhã e sentido o ar entrar. Talvez se ontem eu tivesse decidido não dormir por apenas 8 horas, mas por mais tempo do que qualquer maquininha possa contar.
Mas não há que se encontrar paz fora da vida. Mesmo que seja necessária uma escolha. Que ela seja a de continuar guardando tudo em uma caixa.

Abril/2007

Um comentário:

  1. Coloquei no mural do escritorio o cartão que vc me mandou que tem essa frase das escolhas.. É bom olhar pra ele no meio do dia, qdo tenho vontade de matar todos os clientes! xD

    Saudades,estrelinha
    Bjão
    =*

    ResponderExcluir

Entre e fique à vontade!
'Bora prosear, porque esse blog também é seu.
Obrigada por sua visita, e por sua opinião.
Seu comentário será respondido aqui, nesse espacinho, assim que possível.
Um beijo procê!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...