domingo, 29 de março de 2009

Dizem que saudade dói... Mas em mim ela reverbera...

Há muito venho pensando no que significa a saudade. É quase que um consenso que ela é a ausência daquilo que gostamos, ou que um dia tivemos. Mas o quê explica a saudade daquilo que nunca presenciamos?! Ou então a saudade daquela pessoa a quem nunca olhamos nos olhos? Pra mim saudade não é a ausência de algo ou alguém... É sim uma presença pela metade. Carregamos uma metade conosco de tudo o que nos faz bem: nossos bons momentos, nossos amigos, nossa família, nossos amores, nossas lembranças... A outra metade fica no tempo, perdida num espaço que não é o nosso... E é a ausência dessa outra metade que nos faz suspirar, olhar pro infinito, sentir o coração de gengibre apertado...
Desde que me mudei pra Curitiba, a saudade se tornou minha companheira inseparável. Todo dia me dá bomdia e boanoite. Me faz ficar com os olhos marejados e com a alma tristonha. Mas, quando me dou conta que, se sinto saudade é porque o sentimento é bom, troco a tristeza por borboletas, e sorrio sozinha me dando conta de como é bom poder lembrar dos meus avós acariciando meus cabelos; dos meus pais orgulhosos na minha formatura; dos primeiros passos da Gigi; dos abraços dos amigos; das flores que recebo virtualmente toda semana; do café da mãe; das festas em que ficávamos tão bêbados a ponto de esquecermos que o mundo pode ser ruim; da primeira vez em que pisei no Morumbi...
E enquanto vou lembrando desses bons momentos, vejo que a saudade não dói mais... Ela só substitui o que falta. Como se, pra que não ficasse um espaço vazio, ela preenchesse com um pouco de lembrança. Há coisas que nos lembramos com saudade e que não voltam mais, como meus primeiros passos, meu primeiro vídeo-game, meu primeiro livro... Mas há tantas outras que ainda estão por vir: como o café da mãe e o sorriso largo do pai nas próximas férias; os próximos passos da Gigi; o afago dos avós em meus cabelos no próximo natal; as rosas virtuais na próxima semana; as festas em que eu e meus amigos ficaremos tão bêbados que esqueceremos que a distância nos separa...
Ainda bem que sentimos saudades. Em mim ela reverbera os bons momentos... E em você?

Companhia musical: The way you look tonight - Sinatra


4 comentários:

  1. FIZ UMA MALDADE DAS GRANDES CONTIGO: COLOQUEI UM LINK SEU LÁ NO MEU BLOG....ESSA COISA DE FALAR O QUE SE PENSA ME FAZ UM BEM!!!!
    PARABÉNS PELO BLOG

    ResponderExcluir
  2. Nossa, Patrícia, que texto!! Você é uma poeta, sabia? Rs. Amei!! Mais uma vez vc me tocou e escreveu sobre algo tão forte em mim nessas últimas semanas. Ando sentindo muita saudade, saudade de momentos maravilhosos e de pessoas inesquecíveis, mas uma saudade gostosa de sentir, sabe?
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Olá, Patrícia!
    Obrigada pela visita! Adorei!
    Também gostei muito de conhecer o teu blog.
    Já retribuí o link

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Que lindo texto! Bem-vinda a Curitiba, espero que goste. Eu nasci aqui, já morei em outras cidades, mas voltei logo. Eu nãos gosto de sentir saudades, ainda não aprendi a transformá-la em borboletas.
    Bjins

    ResponderExcluir

Entre e fique à vontade!
'Bora prosear, porque esse blog também é seu.
Obrigada por sua visita, e por sua opinião.
Seu comentário será respondido aqui, nesse espacinho, assim que possível.
Um beijo procê!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...