quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Dos pequenos sorrisos da vida...

Companhia Musical
Sobre o tempo - Pato Fu
Sometimes - Rivets
Diz que fui por aí - Fernanda Takai
Mais uma canção - Los Hermanos
To grow old - The Cleaners
Companhia Literária
"Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é possível fazer sentido. Eu não: quero é uma verdade inventada." [Clarice Lispector in A paixão segundo G.H.]

Era um dia atípico em Curitiba. O Sol desde muito cedo se mostrou radiante, e não quis brincar de esconde-esconde com as nuvens como de costume. Patrícia abriu os olhos e sentiu cada músculo adormecido de seu corpo reclamar ao tentar se espreguiçar. Por um instante, pensou que tivesse levado uma surra. Mas diante da caoticidade da idéia, recobrou a consciência e lembrou que havia decidido retomar os exercícios de yoga na noite anterior.

Ai meu pai... Eu só lembro de porquê paro de fazer exercícios no dia posterior a ter voltado a fazê-los... Por quê?! Por que dói tanto? Oi corpo? Ah, sim... Você está me castigando. Mas era só o que me faltava, estrupício! Sabia que eu já sou maior de idade? E que não posso mais ser colocada de castigo? Aiaiai... 'Tá bom, já entendi o recado, seu malacabado! Não é só meu coração que é um músculo involuntário. E ao invés de pulsar por mim, meu corpo bate em mim...

Patrícia se levantou, V-A-G-A-R-O-S-A-M-E-N-T-E, pois é assim que mandam os manuais de yoga, e antes de ir ao banheiro, colocou a água no fogo, para fazer o café. Sorriu ao olhar para seu novo coador, que lhe lembra um tiquinho do coador e do café da mãe.

Acho que uma das minhas melhores compras foi esse coador de pano. Além de não gastar mais energia elétrica com a cafeteira, tenho a impressão de que o café é mais gostoso. Não tão gostoso quanto o da mãe, mas imagino que elas devam ganhar essa característica de brinde do mestre, quando iniciam uma nova campanha, no papel de mães...

Depois de lavar o rosto com uma água tão fria quanto a da geladeira, Patrícia mostra a língua pro espelho.

Rá, seu traquininhas! Mostrei a língua pra você primeiro! Agora não tem mais graça se você mostrar a língua pra mim, bobão.

Faz o café, liga o rádio, senta-se em seu sofá, e acende o primeiro cigarro do dia. Dá bom dia pra Mia e pra sua nova planta ainda sem nome.

Será que é loucura demais dar bom dia pra um quadro? Acho que não. Afinal de contas, tem gente que dá todo o dinheiro que tem pra uma igreja, achando que está comprando a benção de deus, e acham tudo isso normal. Perto disso, dar bom dia pro meu quadro é a mais pura manifestação da sanidade. Dona Planta, qual nome eu vou dar a você, hein? Manifeste-se, filha! Ou vai ter que aceitar o nome que eu escolher...

Depois de tomar seu café da manhã, arrumar a cama, lavar a louça,  e regar cada uma de suas 15 plantas, dando bom dia a cada uma em especial, Patrícia senta-se em frente ao computador.

Será que alguém nesse mundo consegue se manter sentado certinho o dia todo? Eu juro que tento, mas minhas costas dóem! Isso é que dá não prestar atenção na postura! Daqui uns dias eu vou estar parecendo o Quasímodo. É capaz de sair de casa e encontrar a Esmeralda dançando na varanda. Ops! 'Tá na hora do jornal.



Hein? Mas ainda estão falando do tal cartão vermelho do Suplicy? O mais triste de assistir 3 jornais por dia, é que a gente acaba vendo toda essa pataquada do governo 3 vezes. Ao menos eles têm a vergonha de apresentar uma edição diferente em cada jornal. 

Quem dera se fosse fácil assim tirar um árvore velha do jardim do Senado... Os troncos do Sarney já se tornaram fortes demais. E se tentarem arrancá-lo, todo o cimento que está em volta irá ruir e ser destruído... Mas que barulho é esse? Ai senhor, o arroz!

Ao escrever um artigo que tem que enviar pra um congresso, Patrícia dá risada de si mesma.

Mas só comigo acontecem essas coisas. Se qualquer outra pessoa enviasse três resumos para serem avaliados em um congresso, teria tido apenas um escolhido. Mas eu não, eu tenho que ter os três! E agora tenho que me virar em três para escrever os artigos... Mas isso é bom, né estrupícia! Não posso reclamar de barriga cheia, ou melhor, de Currículo Lates cheio...

Patrícia pára por um instante, e olha seu esmalte vermelho descascado. Olha pela janela, e vê o sol brilhando, o céu azul liberto de nuvens, e tem vontade de também se sentir liberta. Desliga o computador, coloca o tênis que mora ao lado da porta, põe os fones no ouvido, e resolve sair.

Decide ir até o Bosque de Portugal, sentir um pouco do ar fresco, o cheiro das flores, o morno do sol de inverno...

E a dor nas pernas também, né meu filho?! Esse narrador só vê o lado bom da vida, viu! Vou te contar... Além de todas essas coisas bonitas, eu também vejo as clássicas calçadas de Curitiba, que no fim das contas, não calçam é nada. Servem só pra gente tropeçar, e pra fazer os outros rirem. Ops! Maldito paralelepípedo! Ou então, fazer com que a gente ria de nós mesmos... Pode continuar, seu narrador. Eu cansei de falar e andar ao mesmo tempo...

Patrícia observa o Bosque enquanto caminha ao redor dele. Se lamenta de ter um lugar tão bonito tão perto de casa, e raramente visitá-lo. Passa por velhinhos em seus conjuntos de jogging, que correm tentando recuperar o tempo perdido. Passa por um moço que corre pra não perder tempo. Passa por um grupo de idosos, que caminham contra o tempo. Enquanto isso, sente a presença da natureza, que é imune ao tempo.

Enquanto ouve seu playlist, e tenta cantar sem ocasionar vibrações vocais que possam originar som, pois do contrário as pessoas iriam a olhar com cara de "Coitadinha... Tão moça e já enlouqueceu"... Patrícia sorri, e a cada passo o sorriso se torna maior. Oi? Por que ela sorri? Bom, melhor perguntar pra ela. Vai que eu conto o que não posso e ela me demite! Está difícil encontrar emprego de narrador onipresente, viu. Os escritores e os cineastas não nos valorizam mais, como antigamente. E o cara do Mais estranho que a ficção não vai se aposentar tão cedo... Então, melhor eu garantir o emprego na vida dessa...

Dessa o quê, mané?! Está reclamando, é? Olha que eu demito você, hein! Eu estou sorrindo porque não tenho motivos pra chorar, oras. Na verdade, essa semana ganhei muito mais motivos pra sorrir... E é bom sorrir pro Sol, antes que ele resolva sumir de novo. Além do mais, eu tenho sorte de poder, às 4 da tarde de uma quarta-feira, resolver sair pra bater perna...

E o que mais, criatura? Ah, sim... Ficou quietinha porque o mocinho passou olhando pra você, não é? Ah, sapequinha! Vai lá correr com ele, vai!

Ô seu narrador! Você está muito intrometido hoje, hein mano! Sossega seu facho aí! Ó, se os juízes podem ressucitar a lei da censura com um jornal tão importante, e sem razão plausível, eu posso muito bem aplicar a lei da censura em você também! Não se aquieta não, pra ver o que é bom pra tosse!

'Tá bom! 'Tá bom! Já entendi. Patrícia havia parado de falar não por causa do moço que corria, o qual, aliás, ela não havia notado, a não ser quando ele quase tropeçou nela. Patrícia havia suspirado com a lembrança de outro... Bom, deixa isso pra lá. Você ja viu que ela me ameaçou, né? Pois então. Depois de uma volta no Bosque, Patrícia voltou para casa. No caminho, percebeu algumas flores na calçada, e, depois de pedir licença, retirou uma. Foi, no resto do caminho, cheirando a flor e sorrindo.

Ao passar por uma senhora e um senhor que limpavam uma calçada, Patrícia percebeu que eles a olharam com cara de "Que menina esquisita!", mas não se importou. Queria dizer pra eles que não devia ser esquisito encontrar as pessoas sorrindo na rua. Que cheirar uma flor não devia ser considerado loucura. E que a tristeza podia transformá-los em pedra. Com mais poder do que a Medusa.

Ao chegar em casa, colocou a flor em um vaso com água, pegou o resto de café da garrafa, acendeu um cigarro. Aliás, porque será que ela não fumou no caminho?

Mas, rapaz! Como você está curioso hoje, mermão! Não fumei no caminho, UM: porque é feio fumar onde as pessoas vão pra se sentirem mais saudáveis, né filho! DOIS: porque decidi não fumar mais na rua. Afinal de contas, ao fumar na rua, eu acabo tendo que jogar a bituca do cigarro no chão, e isso é lixo. E seria muito contraditório da minha parte fazer campanha contra as pessoas que jogam lixo na rua, e fazer o mesmo que elas, não é? 'Tá satisfeito? Agora termina logo esse trem, senão não pago seu salário!

Deitou em sua rede, e sorriu. Pensou que a vida podia ser assim, com mais sorrisos, mais vezes. Pensou que seria muito melhor que seu coração não se enchesse de raiva, revolta,  e tristeza com tanta frequência. Queria poder fazer uma faxina no cérebro. Praticamente um C: FORMAT. Sabe que não pode. Mas acredita que a cada sorriso, apaga uma memória ruim. E isso já é um grande começo...


Patrícia fala sozinha, e tem medo que as pessoas a comparem com o menino da novela. O narrador não foi despedido, mas teve que assinar uma advertência, e já foi avisado que se continuar a ser tão intrometido, será enviado pra trabalhar junto com os narradores da Família Sarney. Com medo de morar no inferno, prometeu que vai se comportar direitinho.

"Agora diga tchau, Lilica.
Tchau Lilica!"

27 comentários:

  1. Oi!!!!
    Ei! Onde será que eu vi essa história de levantar devagar, hein? Não sei, só sei que é assim que faço. Aprendi a levantar devagar e de lado. Não sem antes ter um papo com Deus, enquanto escuto os passarinhos cantarem. Tem dia que a “estrupícia” aqui (“óia” eu aprendendo contigo!) simplesmente esquece desse ritual e, oh! Vou falar sério: faz muita diferença, para pior. Humpf! :(

    E agora? Vai para os três congressos????

    Gente! Adorei esse método de narrativa viu, Patrícia? Super dinâmico, vivo... ótimo!!! :D

    Ah! Quando eu caminho ouvindo música, eu canto e dou uma sacudidinha no corpo ao som da música. Já devem até ter pensado que eu não bato bem da bola mas, oh! Tô nem aí...ehehehe...

    Tá bom de deixar o narrador deixar ele dizer pra gente por quem você suspirou afinal, néam? ...kkkk... :D Ah! Coitado! E ainda levou advertência? :o

    :***

    ResponderExcluir
  2. O texto ficou brilhante...essa citação inicial ai de Lispector...aff, poderosa.

    A música Sobre o Tempo - muito boa, amo as músicas do Pato Fu.


    abraços


    Hugo

    ResponderExcluir
  3. hehehehehe.. ficou muy legal esse estilo de post!! Adorei mesmo!! Preciso de mais dias assim, como o seu... até pq faz uns 4 dias que o dia tá nublado, chuvoso, escuro.. acho que BH apagou... mas tbm, antes o sol tava todo acomodado por aqui, e a gente quase morria assado, mas td bem, vou parar de reclamar e tentar arrumar algum narrador igual o seu.. eles até são bem úteis pra postagens legais.. ^^

    bjOooss

    ResponderExcluir
  4. Oi Lidi!
    Então, menina... Eu tinha lido sobre isso há um tempo, numa dessas revistas de "bem estar". Daí descobri que minha vizinha é professora de yoga e fisio, e fui tirar a dúvida com ela.
    Ela me disse que o certo é mesmo levantar devagar, pra não forçar demais os músculos e as "juntas", porque o nosso corpo está frio.
    Mas "óia" =) Tem dias em que a gente esquece mesmo, né Lidi. Mas só de vez em quando...

    Então, Bicha. O problema é que não são 3 congressos. O problema é que é UM Congresso e três artigos diferentes. Vou ter que rebolar pra dar tempo de apresentar os 3 no mesmo dia.
    Mas estou super feliz =)

    Que bom que gostou da narrativa assim! Eu estava escrevendo do jeito de sempre. Mas aí o narrador resolveu se manifestar. E personagem quando encasqueta de ganhar vida, não tem escritor que dê jeito viu xD

    Logo logo eu deixo ele revelar quem é o causador de suspiros tá... =)

    Beijo procê, bonita!

    ResponderExcluir
  5. Oi HSLO,
    'Brigada, querido!
    A Clarice é sempre genial, não é? E esse livro dela, pra mim, é uma biblioteca de frases perfeitas...

    Beijo procê!

    Debbys,
    Será que BH resolveu imitar Curitiba e se vestir de cinza? Logo o sol volta por aí, meu bem...
    Beijo procê.

    ResponderExcluir
  6. (primeiro vou responder ao seu comentário, depis volto para ler o post e comentar de novo)...

    Paty,
    é sempre uma delícia ler seus comentários. Ainda mais aquele babando a minha cria... kkk Sabe que eu também achei isso, mas fiquei com vergonha aqui de corujar demais... mas como bem disse a Verônica Cobas, no amor não há cabotinismo e todas as loas são bem-vindas!

    Agora, respondendo à sua réplica...
    Você tem certeza que seu lado feminino é tão ofuscado pelo masculino assim?

    Quem disse que vc não é sensível? Sua capacidade de escrever e se comunicar é uma habilidade tida como feminina. Seu interesse holístico por assuntos diversos também. O que não falar sobre a sua capacidade (que eu já percebi) de se colocar no lugar do outro - mesmo que esse outro tenha uma situação-condição-educação bem diferente da sua) = empatia?

    Suas fotos do orkut mostram uma Paty sensual, mulher, bem fêmea no mais estrito sentido da palavra.

    Mas a feminilidade vai além de mini-saias, meias arratão e salto agulha.

    E você tem nos mostrado isso um pouco em cada post.

    Não é nada mau desenvolver os dois hemisférios cerebrais. O mundo moderno requer habilidades cada vez mais diversificadas. Mas isso não a torna "um machinho" de modo algum.

    Eu tb fujo um pouco ao padrão convencional de comportamento feminino. Meu jeito extrovertido de falar o que penso sem medo de julgamentos muitas vezes é encarado como falta de educação (o que, segundo amigos meus seria característica masculina). Tenho alguns colegas de trabalho que já me disseram em alto e bom som que para eles eu sou outro homem. (Como se isso fosse um elogio!) Eu recebo como tal, mas não gosto da afirmação.

    Mulheres também podem falar de tudo sem se constragerem. Quem disse que certos assuntos são privilégios masculinos?

    O mundo não está rpeparado para mulheres bem resolvidas e, na falta de um adjetivo melhor, a tacham de masculinizada.

    Um beijo grande.

    ResponderExcluir
  7. Eu já tava com saudades desse narrado intrometido!

    Parabéns pelos congressos! É essa a razão desse seu sorriso, ou tem algo por trás que vc não nos contou? (Nâo me demita também, viu? Afinal, nossa relação não é empregatícia, se vc me demitir por enxerimento eu continuo vindo aqui pra ler tudinho, lálálá...)

    Tá parando de fumar na rua? Boa pra vc! Compra uns adesivos desse, Paty, e tenta parar de verdade. Vc ainda é nova. É mais fácil agora que mais tarde. Cuide-se! Cigarro é uma m&*#@!

    ResponderExcluir
  8. Hoje também estou comemorando que o sol saiu aqui em Sampa e deu até vontade de sair para dar uma volta despretenciosa como essa.
    De vez em quando é bom estar em sua companhia e esvaziar a mente, né?
    Bjitos!

    ResponderExcluir
  9. Voltou á programação normal, né?! Senti falta disso. Vamos lá:

    *Fumando? Óh não. Vc uma moça tão educada, estudada (parece discurso de velho) e fuma? Não acredito? Bora aderir a um método para se livrar disso, serve adesivos, chicletes, qualquer coisa.

    *Eu tb falo sozinha, e se eu estiver sozinha, falo com coisas tipo garrafas de refrigerantes. Viu como não posso morar sozinha, eu ia enlouquecer, tenho certeza.

    *Ah tb dou boa noite e bom dia para os jornalistas, sei lá parece uam obrigação. E tb assisto várias edições de jornal.

    *Não dou língua para o espelho, mas faço uma careta, a minha predileta ultimamente é abrir bem os dentes num sorriso forçado. Aproveito e dou uma conferida no aparelho ortodôntico, rá.

    *Saio de casa com o Ipod ligado e tenho ritmos para cada dia, cantarolo é claro, mas tento não fazer isso em voz alta para não assustar ninguém, nas sextas-feiras sempre escolho um sambão e tenho que me conter para não ficar batucando.

    É isso minha amiga, a cada dia me descubra mais parecida contigo, somos mesmo esquisitas. Bjs

    ResponderExcluir
  10. Ah, esqueci.

    Congressos em triplo? Eita menina importante, o orgulho dos pais.

    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Ei, eu tb falo sozinha enqt ando !!
    Mas nem ligo se alguem me acha louca !

    beeeeeeeeeeijos

    ResponderExcluir
  12. Afe! Que a menina tá suspirando pelos cantos, é? :) O amor é lindo mesmo! :) Olha, Pati, estou arrasada. Meu "personal organizator" pifou geral e estou toda enrolada com compromissos, afazeres domésticos (minha ajudante está de férias) e vida materna. E quando chego aqui me deparo com zilhões de textos que não li! Tô arrasada! O pior é que não dá para passar batida, né? Como deixar de rir um pouquinho com você e de quebra ainda me informar e me encantar com seu modo de escrever. Agora com narrador e tudo! Meu pai! Ah! Não demiti o pobre, não. Tão astuto e sagaz, só está fazendo o trabalho dele, né? Ah! Café coado em coador de pano é outra história mesmo Aprendi que mexer um pouquinho tb dá uma caprichada no gosto. Quasímodo? Só você para me fazer ter vontade de reler O Corcunda de Notre Dame! :) Beijão, Fabi.

    ResponderExcluir
  13. Ah, como de costume hoje lá no Mundinho tem entrevista especial. Passa lá.

    Bom final de semana

    ResponderExcluir
  14. Lindonaaa, nada como um sorriso e uma visõa positiva da vida, né?
    Hoje acordei assim tb, parecia uqe tinha levado uma surra. Mas o sol apareceu e logo esqueci a dor, dei uma alongada e me senti mais disposta.
    Muitos e muitos beijos e um lindo dia!

    ResponderExcluir
  15. Ah, agora me lembro do que estava sentindo falta aqui no seu blog, desses posts escritos na terceira pessoal e narrando as ações do seu dia a dia... eu os adoro!!!

    Vamos por partes, quanto ao café não ser parecido com o da sua mãe, se um dia vc for mãe, existe a chance de umd ia a sua filha falar o mesmo, assim o seu café será promovido ao status de "café de mãe" :)

    Sanidade e insanidade, pra mim é uma pura questão de referencial, portanto vc pode continuar dando bom dia pro seu quadro, ninguém vai te julgar por isso :)

    Quanto ao Currículo Lattes, um artigo (ou melhor 3) a mais não é nada mal, não!?

    Putz Pati, caraca, a cada dia que te leio vejo mais semelhanças entre nós... as vezes me dá uma dessas de andar pela rua sorrindo, sabe esse sorisso de canto, maroto e serelepe, então... as vezes isso acontece comigo. Mesmo sem motivo, pois afinal de contas não é preciso motivo pra se sentir vivo e feliz, certo!? Quando isso acontece e estou em casa, onde ninguém pode me ver, fico pulando no meio da sala, dançando feito louco, cantando e gesticulando...
    É claro que se as pessoas vissem pensariam que sou maluco, mas como vc mesma falou, não deveria ser considerado loucura a mais pura expressão de alegria!

    Agora preciso deixar o meu protesto aqui quanto a advertência do narrador. Deixa o pobre coitado ser intrometido, confesso que fiquei entusiasmado pra saber mais da vida da Patricia :)

    Vamos lá narrador, vc tem muu total apoio... se vc perder o emprego eu te garanto o seguro desemprego, mas por um mês só, viu!? hehehehehe!

    Quanto ao link para as fotos do sistema com que trabalho no lab, esotu enviando no email aindamininama@hotmail.com
    ok!?

    beijos e um ótimo fim de semana

    ResponderExcluir
  16. Esqueci de parabenizá-la pela aceitação dos artigos no congresso.
    Por isso, meus parabéns Pati!!!!
    Se eles aceitaram seus três trabalhos, é porque os seus temas são bem interessantes.
    A propósito, consegui ter uma idéia sobre oq ue se trata sua dissertação... parece ser bem interessante e difícil também :)

    Sei como isso é importante para quem está na área acadêmica. E sei que apesar do trabalho imenso e intenso, vc vai conseguir escreevr os artigos e apresentá-los com maestria.

    beijão novamente

    ResponderExcluir
  17. Kd, tu?
    Já te citei duas vezes em posts distintos e vc nem viu...
    saudades,
    bjinhos

    ResponderExcluir
  18. Vi algumas diferenças da cidade que mora para a minha. As pessoas aqui, andam com seus ipods olhando o infinito. Caras tristes, como robozinhos, sem olhar para os lados. Sem sorrisos! Fazem tudo o que 'seu' médico mandou, mas não fazem aquilo que suas almas mandam! Bom fim de semana! Beijus

    ResponderExcluir
  19. Claudinha!!!
    Que saudade docê, bonita!
    Desculpa o sumiço! Fui raptada pela Dona Dissertação de novo ¬¬

    Eu concordo com você e com a Verônica. Tem que babar pela cria mesmo. Com todo o direito. E aliás, com toda a razão. Porque eu que não sou nadinha dessas duas criaturinhas fofas, já babo por elas =)

    E respondendo a réplica da sua réplica [Eita que conversa boa!!!]
    Quero dizer obrigada, Claudinha... Você me fez parar pra pensar em muita coisa com seu comentário...
    Muita coisa que eu tinha deixado guardada num canto, com medo de encarar. E seu post me fez ver que eu tenho que encarar essa minha "atitude" de querer renegar minha feminilidade.
    Ainda estou processando, mas logo faço um post sobre isso. Mas já te digo que estou mais feliz com a conclusão a qual cheguei depois de nossa "conversa", viu.
    'Brigada, por me proporcionar essa troca tão gostosa, e por me permitir aprender com você...

    Eita que esse narrador fez um sucesso danado, menina! É melhor eu não o demitir, mesmo... Senão vai sobrar pra mim xD

    E pode ficar tranquila que estou planejando parar de fumar de vez, sim. Só que isso precisa de muito planejamento, e acompanhamento médico. Mas estou providenciando.

    Beijo procê!

    ResponderExcluir
  20. Lusinha,
    É sempre bom ter o sol e a nossa companhia por perto, né não?
    =)
    Beijo procê!


    Rosi!
    Que bom que gostou da volta da programação [a]normal =)

    Pode deixar! Logo a mocinha educada aqui será uma ex fumante. Eu juro!

    Ai que bom que não sou a única louca que cumprimenta os apresentadores de jornal! Ufa...

    Eu adoro fazer careta pro espelho! Tem gente que até diz que é um exercício pro rosto. Olha que beleza.

    Eu vou te contar uma coisa... Quando eu ando com os fones [sempre, na verdade], eu tenho problemas de coordenação. Meu corpo quer se movimentar no ritmo da música, e acabo tendo problemas pra andar. Tem horas que quase caio. Mas não conta pra ninguém xD

    Pois é... Papai e mamãe não entenderam nada sobre os congressos, mas ficaram felizes que só =)

    Pode deixar que vou lá conferir a entrevista.

    Beijo procê, bonita!

    ResponderExcluir
  21. M.,
    Isso mesmo. Se acharem que a gente é louca, paciência =)
    Beijo!

    Fabi!!!
    Ai que saudade de você, mulher!!!
    Eu estava pra ir lá no seu blog cobrar notícias suas!
    Veja lá... Eu não estava suspirando por amor... Estava suspirando por..Deixa pra lá xD

    Pode deixar... Não vou demitir o narrador. Pelo visto todo mundo gostou do estrupício =)

    Uia! Não sabia da dica de mexer o café, menina! Vou testar. 'Brigada!

    Beijão procê!

    ResponderExcluir
  22. Isa!!!
    Saudades de você, minha amiga...
    Tenha um ótimo fim de semana! Ensolarado e livre de "surras" =)
    Beijão procê!

    Fábio,
    Pois então...Acho que nunca vou ganhar a habilidade do café, viu. Os deuses nãoo vão permitir que uma estrupícia como eu seja mãe =)

    Opa! Meu Lattes 'tá faceiro que só, rapaz!

    Eu fiquei aqui rindo, imaginando você pulando faceiro na sala. Mas não rindo de você, porque eu também tenho essa mania! Na verdade, eu gosto de dançar. Boto um sambinha e fico toda toda dançando sozinha...

    Elaiá... Você também está do lado do narrador?! 'Tá bom, tá bom... Ele fica...

    Vou ver os links com calma. 'Brigadão, viu!

    Bom final de semana!
    Beijo procê!

    ResponderExcluir
  23. Luma,
    Que bom ter você aqui =)

    Mas as pessoas aqui em Curitiba também andam carrancudas assim, com seus fones no ouvido.
    É raro ver algum demente como eu sorrindo pro nada...
    E o pior é que descobri a existência de um hospício há poucas quadras de casa... xD

    Tenha um ótimo fim de semana!
    Beijão procê!

    ResponderExcluir
  24. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  25. Paty, eu tb redescubro tesouros a cada nova leitura de um livro que já tenha lido, isso acontece porque a gente muda, graças a Deus! E com a mudança, percebemos pequenos detalhes antes desapercebidos.

    Acredito que niguém ou nada nos acontece por acaso. Se eu estou servindo para lhe despertar a feminilidade, vc está me servindo para me relembrar a escrever... menina, eu tb tenho guardadas poesias de quando era adolescente, e de quando namorava Mário... Nunca mais escrevi nada!

    Acho que a felicidade é preguiçosa e tímida, dispensa alardeios e se inibe com holofotes. A gente ama e nem precisa falar, porque demonstra com um bom dia, uma flor, um bolo favorito para a pessoa amada, um bordado, um cuidado, um carinho... isso é ótimo, mas o tempo pode apagar.

    Palavras são eternas.

    Embora reconheça que haja certos sentimentos que não cabem nas palavras, estou redescobrindo a minha relação com elas e, com certeza, isso é mérito seu. Seu e dos blogs que vc indica. Cada um com mais conteúdo que outro.

    Sabia que de certa forma eu tinha vergonha (repare nisso!!!) de exibir meu blog no perfil do orkut? Não queria que as pessoas intelectualizadas com quem eu convivo me vissem como uma Amélia, apenas.

    Mas, aos pouquinhos, eu estou encontrando a minha personalidade bloguística. Será que estou saindo da minha adolescência? Ui!!!

    Estou falando de outras coisas, sem me desviar do tema do blog, o que para mim está sendo uma façanha e tanto!!!

    Obrigada por participar dessa metamorfose, obrigada por vc ser quem é, obrigada por me receber em seu apê, ao lado de suas plantinhas, porque afinal eu também te vejo como uma amiga. E amigo, para mim, é o parente que a gente escolhe.

    Um beijo, minha irmã.

    ResponderExcluir
  26. Hoje é o Blog Day e eu indiquei você. ;)
    Bjitos!

    ResponderExcluir
  27. Ei, mulher
    Cade tú que sumiu do mapa?

    Lembrei daquela música breguinha não sei de quem: Cade vocêêê, que nunca mais apareceu aqui?!

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
    Bjs, flor.

    ResponderExcluir

Entre e fique à vontade!
'Bora prosear, porque esse blog também é seu.
Obrigada por sua visita, e por sua opinião.
Seu comentário será respondido aqui, nesse espacinho, assim que possível.
Um beijo procê!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...