quinta-feira, 26 de agosto de 2010

As impurezas do branco...

Aquarela de Saint-Exupéry em O Pequeno Príncipe
Hoje cometi a insanidade de pintar as unhas de "Renda". Algo nunca antes ocorrido na história de minhas mãos. Assim que terminei, tive a certeza de estar olhando para as mãos de outra pessoa. Ao olhar praquelas unhas de mocinha, minha primeira reação foi correr e me jogar no vidro de removedor de esmaltes. Mas depois que a mãe disse que estava bonito, acabei deixando, porque Dona Maria entende de bonitezas...

O xdaquestão não foi a cor em si, mas sim o que me levou até ela. Tenho uma caixinha de esmaltes com mais de 20 vidrinhos, que não é absolutamente nada perto das coleções das blogueiras do assunto, eu sei... O problema é que 90% deles foram comprados em 2 meses!

Nos últimos 3 anos, minha coleção se resumia a 3 vidros de esmalte, todas variações de vermelho, a única cor que habitava em minhas maltratadas unhas. Foi quando comprei um roxo, e outro roxo, e enlouquecida um verde, um azul e daí por diante. De repente, minha vida se tornou um arco-íris! E apesar de ter uma aquarela pra escolher, escolhi o bendito do branco! Esses dias pensei em escrever alguma coisa sobre essa febre dos esmaltes, ou então sobre a influência das cores, mas não é bem sobre isso que quero falar hoje...


Hoje quero falar sobre minha vontade de branco. Porque diabos eu resolvi passar uma cor tão diferente de mim, sendo que na minha caixinha eu tenho 4 tipos diferentes de roxo? Não sei. E odeio não saber das coisas. Não saber me angustia, me come por dentro, e me deixa um vazio tão imensurável quanto a vontade de saber...

Agora olho pros parágrafos anteriores e vejo que quase  todos terminaram em reticências. O pior é constatar que minha vida tem sido uma imensa reticência. E no espaço entre cada um dos pontos, vejo um abismo entre quem eu sou, quem eu acho que sou, e quem eu acho que os outros acham que sou.

Uma bagunça. Acho que a única palavra/coisa que me definiria agora seria BAGUNÇA, assim, em capslock, porque é bagunça não só com B maiúsculo, mas com todas as outras letras também.

Divulgação
Vai ver é o mês de Agosto que faz isso comigo, afinal de contas, não existe ar pra respirar, e meu cérebro dever ter entrado em curto-circuito. Ou então  é a proximidade das eleições que sempre me deixa louca, pois não há razão no mundo que justifique essa política do nosso país. Ou alguma alteração no maldito ciclo hormonal. Ou o fato de hoje ser feriado [Happy Birthday, Campo Grande!], e eu ter que pensar que amanhã irei dar aulas pra uma quantidade mínima de alunos que vai passar o tempo todo reclamando de ter ido pra escola, e me pedindo pra não passar nada.

Aaahhhh! Se tem uma coisa que me irrita sobremaneira é aluno que, ao invés de ficar em casa numa emenda de feriado, resolve ir pra escola me pedir pra não passar nada! Vamos ficar conversando, profe!, diz o estrupicinho com a maior cara lavada. Conversar o quê, rapá! Se veio pra escola vai estudar, que isso aqui não é lugar de conversinha. Se quisesse conversar, tivesse ficado em casa no msn! 


Não faço idéia do que tenha desencadeado isso; só sei que ainda preciso saber por que demônios escolhi o branco! Porque, sim!, eu analiso a vida. Eu fico tentando entender as entrelinhas, os subentendidos, as reticências. E me machuca quando não consigo entender a mim mesma.

Pra alguns pode parecer ridículo, e até fútil, uma discussão sobre o branco das unhas. Mas não é só isso. Tenho certeza que não é só isso. Talvez o branco tenha sido a gota que fez o copo, já cheio, transbordar; talvez a estranheza das mãos reflita também a estranheza que tenho tido por mim mesma, por minha rotina, por minha vida.

Queria poder acordar amanhã e descobrir que os últimos meses foram um capítulo escrito por Lewis Carrol. Queria descobrir que branco era apenas a cor do coelho. Mas eu sei que não vai acontecer nada disso...

Virgínia Woolf by Firedrake [AQUI]
Eu sei que amanhã vou acordar com mais perguntas do que as que tenho hoje, e com menos respostas do que jamais tive. Sei que assim que chegar em casa vou pintar as unhas de roxo, passar a noite lendo Hornby e escutando rockn' roll. Mas também sei que a escolha do branco não será esquecida.

Quando reli hoje a frase da primeira imagem, me lembrei do dia em que pintei as paredes do antigo cafofo de branco [vale a pena ler de novo neste post AQUI]. Lembro da sensação gostosa de um quarto todo branco. Na verdade, acho que naquele dia até senti que havia ganho um par de asas também. Naquele dia o branco me abraçou. Hoje não. Hoje ele me tirou a paz.

Mas... Acho que vou seguir o conselho de Dona Virgínia Woolf, no brilhante "As Horas" [já fiz uma resenha dele AQUI, já leu?],  e não fugirei mais da vida, ainda que a estrupícia se pinte inteira de branco...


Um beijo cheio de uma maldade nem tão má assim...

Ps: O crédito das imagens está logo abaixo delas. As editei, inserindo as frases que achei pertinentes. Caso o dono da imagem se sinta prejudicado pela edição, por favor, me avise, e eu a retiro.

10 comentários:

  1. MininaMá!! Que maldade com o branco! Uma repaginação, o branco total!! Folhas em branco, paredes brancas, ideias brancas a serem preenchidas... isto angustia? O Branco da unha que abre espaço para refutações do pensamento e, pensar que "acordar com mais perguntas do que as que tenho hoje, e com menos respostas do que jamais tive" é super bom! Aluno querer conversar com a profe? Super bom! :)
    Feliz que você tenha voltado para a blogosfera!! Beijus,

    ResponderExcluir
  2. Antes de mais nada quero dizer que isso : "Não sei. E odeio não saber das coisas. Não saber me angustia, me come por dentro, e me deixa um vazio tão imensurável quanto a vontade de saber..." é digno de Clarice Lispector. Assim que li lembrei dela e tantas coisas que ela escrevia.

    Sobre as unhas, se eu colocasse renda ou francesinha também não seriam minhas mãos embora eu goste nos outros. Minha coleção de esmalte ainda se resume a uns 4 tons de vermelho/vinho hehehe Não, lembrei que comprei um tom de rosa tentando variar. Sobrinha até levou um susto quando viu.

    Será que o branco é necessidade de paz? E pelo vist tirou toda sua paz.

    Menina, sabe que quand assisti As Horas, num gostei? Vejo sempre falarem tão bem.. preciso assistir de novo.

    ai ai olha eu escrevendo demais...

    beijo beijo beijo

    ResponderExcluir
  3. se tratando de unhas, sou o contrário de vc.. sempre pintei de branco, cores bem clarinhas... não me via com as unhas coloridas, pois acho elas pequenas e feias.. mas eis que minha amiga traz de presente da itália um esmalte roxo... ah, a emoção da lembrança foi tanta que pintei, e por incrível que pareça adorei!!! hahaha... mesmo que vc esteja fazendo mais que uma reflexão da cor das unhas, acho que vc pode associar isso a um pouco de mudanças da vida.. xD

    bjss

    ResponderExcluir
  4. Como eu estava com saudades de vc!!!! Com esmalte, sem esmalte, de roxo, renda, vermelho... seja como for, senti falta!

    Só o que está morto não muda, Paty. Sentir vontade de ousar não é ruim, mudar nos faz sentir vivos. Seja na cor do esmalte, no modo de ver a vida ou até no jeito de escrever...

    Sim, porque vc não é mais a mesma. Até seu jeito de escrever mudou.
    Sua vida mudou, como isso continuaria igual? Acho legal ler coisas antigas e acompanhar o quanto vc evoluiu.

    Talvez sua vontade de alternar a cor do esmalte seja só uma tentativa de conciliar seu gosto atual com a pessoa que vc se tornou.

    Seja como for, estou gostando de tê-la de volta.

    Felizes os seus alunos. Não lembro de ter tido uma professora tão especial quanto vc.
    Bjks

    Claudinha

    ResponderExcluir
  5. Acho q o branco nos serve quando começamos a querer rabiscar tudo de novo... Meu branco foge de mim ás vezes, especialmente hoje. Hoje eu não quero recomeçar nada...Tb me defino em bagunça nesse sábado.
    Adoro ler vc!
    bjo, se cuida.
    dona Lua

    ResponderExcluir
  6. Olá. =)
    Seu post anterior, junto com um comentário no meu blog antigo, me deixou como você acabou de dizer que não gosta: Pensando um monte de coisa e não sabendo nada. E me fez escrever um post que se chama "Sabe que eu não sei?"

    E lendo seu novo post eu me surpreendi porque que eu ia citar o trecho do Chico que você citou. E ia citar Lewis Carrol em algum momento. E, engraçado, foi como se tudo aquilo que eu não sei o que é, e tudo aquilo que você não sabe o que é fizessem sentido mesmo sem eu ainda ter entendido.

    Desculpe, não quero te complicar ainda mais a cabeça. A princípio só queria te contar do meu post novo.

    Desejo um bom feriado pra você, com boas surpresas São Paulinas. Eu moro em Minas, meu domingo vai ser conflituoso.

    ResponderExcluir
  7. Querida Luma,
    Não tinha pensado nas tantas coisas boas do branco...
    Obrigada pelo comentário que sempre me faz refletir.
    Um beijão todo branco procê ;)

    ************

    Mãe Luci!
    Mas assim você me deixa cheia de vergonha! Capaz me comparar à mestra Clarice! Só você pra alegrar um pouco essa criatura aqui...
    Essa semana comprei meu primeiro esmalte rosa! Ainda não usei... Estou analisando ele primeiro. Mas certeza que vou estranhar horrores!

    Reveja As Horas sim... Acho esse filme incrível!

    E sempre escreva mais e mais e mais, viu!
    Beijão!

    ************

    Debbys,
    Sempre é bom mudar, né não?
    E se a mudança for colorida, tanto melhor =)
    Beijo!

    ***********

    Claudinha!!!
    Que saudade sem tamanho docê, minha querida irmã!
    Como sempre você descobre o que sinto mesmo antes de mim... Depois que li seu comentário que fui pensar sobre essa coisa de querer/precisar mudar... E é isso mesmo.
    Esse furacão de mudanças faz a gente se sentir um tanto desconfortável.

    Ah! Pergunta pros meus alunos se eles são felizes! Estão sempre reclamando logo cedo. Mas nada como receber um chamego deles quando a aborrecência permite =)

    Um beijão bem grandão!!!

    *************

    Lua,
    Tem dias que é melhor deixar a bagunça quietinha...
    Adoro você, viu!
    Beijão!

    *************

    Hey, Dona Eu mesma [de quem não consigo achar o nome de jeito nenhum! xD]

    Vou lá conferir o post novo.
    E não precisa pedir desculpas não! A vida é melhor cheia de complicações mesmo, porque quando a gente consegue vencer um obstáculo se sente cheia de vigor pro próximo =)

    Um beijão procê!

    ResponderExcluir
  8. Menina Má..que de má nada tens...
    veja, bem o branco é PAZ...gostei do seu geitinho de brincar com as palavras...
    te sigo com carinho..
    Um final de semana cheio de baladas e compromissos tara ti...
    Preciosa Maria

    ResponderExcluir
  9. cuidado. de 20 para 200 é um pulo. e não se vê!

    =D

    ResponderExcluir

Entre e fique à vontade!
'Bora prosear, porque esse blog também é seu.
Obrigada por sua visita, e por sua opinião.
Seu comentário será respondido aqui, nesse espacinho, assim que possível.
Um beijo procê!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...