segunda-feira, 21 de março de 2011

Tinha uma poesia no meio do caminho...

Nunca me esquecerei da primeira poesia que li, aos 9 anos: O vestido de Laura, de Cecília Meireles [que você pode ler nessa minha postagem AQUI]. Ele me acompanhou por anos a fio, até o dia em que a realidade acinzentou minhas retinas (já tão fatigadas pelas pedras no meio do caminho)... Foi mais ou menos nessa época que declamei em público o primeiro poema: Traduzir-se, de Ferreira Gullar. Como se ali, naquele dia de 1995, aos 13 anos, eu aprendesse que a vida era duas, e que, assim como ela, eu também era duas, ou várias, como aprenderia depois com Drummond e suas sete faces.

Escrevi meus primeiros e bobos poemas aos 12 anos. Guardei-os a tantas chaves que já não os posso desempoeirar, pois sinto que deles brotarão lágrimas que me inundarão os olhos, e farão meu coração querer morrer pra poder ressuscitar na doçura do passado...


Foram anos e anos fazendo das palavras meu espelho. Elas me traduziam, me preenchiam, tomavam-me nos braços quando a adolescência teimava em envolver-me em um furacão. Mas chegou um tempo em que eu não podia apenas viver na poesia, eu precisava era viver poesia!

"Tudo no embalo dos sonhos
que não mais carrego
mas que me levam nas asas."
Desse poema AQUI

E então vieram a faculdade, os novos autores, os cadáveres delicados dos quais sinto tantas saudades... Vieram as novas experiências, e Manoel de Barros tomou-me conta, enchendo-me de vazios. E então meus poemas tornaram-se palavra e só. E foi só que continuei seguindo, até o dia em que me abandonaram e deixaram-me com a minha desconhecida prosa. Vez ou outra eles ainda me visitam, e me acariciam a face escondida do sol. Trazem-me cheiros, sons, sorrisos... E depois vão-se novamente, dormir o sono daqueles que, de tão sensíveis, não pertencem mais a este mundo...

"Apenas vivemos o que nos restou
Uma não lembrança daquilo que era
mas que apenas se guarda no espaço das esquecidões."
Desse poema AQUI


Hoje é o dia mundial da poesia. Uma pena que nossa vida tenha tão pouca poesia ultimamente... Mas isso não é motivo pra calarmos os ouvidos do coração, esse pobre solitário que se esconde de medo dos males do mundo. Esse pequeno pedaço metafórico que se endurece de medo de perder-se na escuridão...

Vivamos um pouco de poesia a cada dia! Seja num sorriso distraído. Seja na vida que, doce, passa pela janela. Seja numa palavra. Seja numa imagem. Seja numa melodia que só nossos ouvidos são capazes de escutar...
"A poesia quer imortalizar o momento vivido
que de tão vivo, se rejeita a morrer de outra forma
que não a de sepultado em palavras"
Desse poema AQUI


Porque poesia é isso que a gente guarda lá no fundo, com medo de que nos roubem. Poesia é o brilhar dos olhos num pôr-do-sol de outono. Poesia é a lágrima que, solitária, se esconde no canto dos olhos diante de tanta tristeza no mundo. Poesia é estender a mão, ainda que dura de tanto trabalho, àquele que cansou-se da vida e sentou-se no meio do caminho. Poesia é sentir, mas, acima de tudo, poesia é viver.

E se você está carente de poesia, dê uma espiadinha nesse documentário sobre meu poeta mais querido, e que me ensinou tanto da vida: Carlos Drummond de Andrade - Especial Globo News [Clica AQUI ó].

**************************************************

Além do dia da poesia, hoje se inicia o Outono aqui no nosso hemisfério. Tempo de agradecer e pedir proteção. Tempo de ver as folhas que caem como quem vê os anos que passam...

E há tantas outras comemorações neste dia tão especial e mágico: dá uma olhadinha lá no blog da querida Luma [AQUI ó] num post completíssimo e lindo...

Lá no meu Twitter [ainda não me segue, estrupícia? Vai lá ó: @patriciapirota], no dia de hoje, tem várias indicações sobre poesia.

E pra terminar, preciso divulgar a ação que minha mama querida, Luci (mulher que faz poesia com as mãos e com as ações), está promovendo: a Rifa Solidária e o Bazar Solidário. Vá lá, abra os ouvidos e os olhos, e faça poesia com as mãos também: http://blog-do-bazar.blogspot.com/

Ps: acho que o Outono me trouxe de volta ao blog... Mais um viva a ele!
Ps2: todos os poemas citados são meus, publicados aqui ou no blog antigo.


Companhia Musical: As quatro estações - Outono, de Vivaldi [AQUI]

Um beijo cheio de uma maldade nem tão má assim...
Patrícia Pirota

11 comentários:

  1. Bom te ler novamente! Espero que seus outonos sejam duradouros.
    Eu não sou muito de escrever, acho que não me entendo muito com as palavras escritas, sim com as lidas, ouvidas, pensadas... meio louco não é?

    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Apareceu a Margarida..ole..ole olá...Mas continuo te esperando...gosto muito de ler o que escreves...Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Oi, gostei mt do seu blog.
    Sou um escritor amador e estou fazendo um blog sobre o meu livro. Dá pra fazer o download lá. É bem dificil divulgar ate pq ainda ta no começo né.. queria pedir a sua ajuda se nao for atrapalhar vce.
    visita la: http://cronicasperdidasoficial.blogspot.com
    Valeu.

    ResponderExcluir
  4. realmente, o mundo precisa mais de poesia.. hoje em dia já não leio poesias com antigamente, mas se vejo uma, vou logo dar uma espiada.. xD

    bjs

    ResponderExcluir
  5. Primeira vez no seu blog, mas gostei daqui, o titulo bem interesante. ^^
    Ah então é nesse dia que se comemora o dia da poesia e o incio do outono, que bacana nem sabia KKKK.
    Poesia é tão lindo. né? *-*

    ResponderExcluir
  6. já que foi o outono quem a trouxe de volta
    que seja sempre outono para nós!
    =)

    ResponderExcluir
  7. Amei conhecer esse espaço de ternura, a poesia não tem tempo, ela nasce dentro da gente, igual tatuagem sua mearca nunca se apaga

    Se permites serei sua seguidora numero 201....
    Com muito carinho estarei sempre de volta aqui

    Tenhas um final de semana regado de muito amor

    Preciosa Maria

    ResponderExcluir
  8. Não pode parar de poetar!! Esse dom precisa de exercício para a inspiração canalizar para o mundo exterior ;) Dei uma volta no outro blogue e adorei!
    Também sinto falta das suas indicações musicais.
    Obrigada pela referência e gostaria de lhe indicar um outro texto "A duração do dia", para que escute a aula que Adélia Prado dá sobre vida e poesia!
    Boa páscoa! Beijus,

    ResponderExcluir
  9. Achei seu blog mt interessant e estou seguindo-o!

    qnd tiver um tempinho, de uma passadinha no meu?


    bjooos

    http://cabecafeminina.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Eu amo essa poesia da Cecilia, nao a conheci tao nova como vc, mas qd tive minha filha, que se chama Laura, entao líamos juntas, sempre e ela adorava e decorou rapidinho.

    tao bom lembrar isso...

    ResponderExcluir
  11. Sem palavras só digo uma coisa: Lindo!

    ResponderExcluir

Entre e fique à vontade!
'Bora prosear, porque esse blog também é seu.
Obrigada por sua visita, e por sua opinião.
Seu comentário será respondido aqui, nesse espacinho, assim que possível.
Um beijo procê!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...