segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Como água para chocolate - Laura Esquivel [Pseudoresenha] [Desafio Literário]

Fonte: Editora Martins Fontes
Ao me deparar com o tema do primeiro mês do Desafio Literário, senti um certo estranhamento. Pra falar bem a verdade, senti foi mesmo um baita desconforto. Fiquei imaginando como demônios eu leria e gostaria de um livro classificado como "Literatura Gastronômica"...

Como ainda estava inebriada pela literatura latino-americana, por conta do Señor García Márquez, acabei escolhendo o livro da mexicana Julia Laura Esquivel. Escolhi assim, no susto, no escuro.

E essa delícia de livro me tirou do escuro. Ouso dizer que ele será um dos melhores e mais fortes livros lidos em 2012. Sim, ainda estamos em Janeiro, mas penso que não esquecerei tão cedo todas as sensações, emoções, lágrimas e sorrisos [praticamente uma novela mexicana!] que esse livro me causou...

Não consigo escolher algo que tenha me marcado mais... Não sei se foram os sabores que eu imaginava sentir cada vez que lia as descrições das comidas de Tita; se foi o cheiro das rosas, quando Gertrudis tornou-se uma alma livre e um corpo em brasa; se foi o ódio que eu sentia escorrer de meus olhos cada vez que Mamãe Elena era... ela mesma; ou se foram as lágrimas que brotavam dos meus olhos sem pedir licença, cada vez que eu via a história de Tita se confundir com a história de minha família.

O livro retrata toda a força da alma feminina que perdura durante tantas gerações e por tantas localidades. Em "Como água para chocolate", não importa a geografia, pois as mulheres ali retratadas podemos ser eu, você, nossas mães e avós.

Eu li o livro em uma noite. Ia virando cada página, com uma sofreguidão que há muito não me tomava conta. A cada página eu queria matar a maldita da Rosaura, sentir o cheiro da cozinha de Tita e dar uma surra em Mamãe Elena.

Aliás, penso que Julia Laura Esquivel fez escola com Garcia Márquez, viu... Não sei se foi a proximidade entre uma leitura e outra, se é a temática latino-americana, mas vi muita coisa em comum entre ambos os livros [Falo aqui de "Do amor e outros demônios", cuja resenha sairá na quarta-feira]. Principalmente a capacidade de criar personagens detestáveis. Ah, sim! Esquivel também tem uma veia meio serial killer ali, mas não vou contar muito senão estrago o seu paladar, digo, sua leitura.

O livro é triste, mas ao mesmo tempo nos conforta. Não sei se me confortou pelo fato de eu ter alguém com quem compartilhar minhas dores, pois me senti acompanhada durante toda a leitura.

Não é uma história previsível, ao contrário, é cheia de reviravoltas, e, principalmente, feita de pessoas de carne e osso, das quais nunca podemos prever o próximo movimento.

No fim das contas, ler "Como água para chocolate" foi como experimentar uma comida que eu não conhecia. Primeiro veio o estranhamento, e depois o prazer que sempre temos ao nos render ao novo...

Informações Técnicas
ESQUIVEL, Laura. Como água para chocolate. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

Sinopse da Editora: "Neste surpreendente romance que tem como subtítulo Romance em fascículos mensais com receitas, amores e remédios caseiros, tudo gira em torno da cozinha. Cada capítulo é aberto com uma extraordinária (e perfeitamente realizável) receita, em torno da qual não só se aglutinam os comensais que as consomem como também se cozinham e coalham amores e desamores, risos e prantos (sobretudo risos)."

Um beijo procês!

Ps: Clique no link abaixo para ler a Ficha de Leitura do Desafio Literário.


Ps2: Um muito obrigada à Tábata, Dona Happy Batatinha, que me avisou, de forma fofa e educada, sobre o meu erro com o nome da autora. 'Brigadão, viu!


Ficha de Leitura 
Tema: Literatura Gastronômica
Mês: Janeiro

Um pouco sobre mim
Eu sou a: Patrícia Pirota
Moro em: Campo Grande - MS
Na net, você me encontra:
Blog Ainda Minina
Twitter @patriciapirota
Facebook 

Neste mês, eu li:
Título: Como água para chocolate
Autor do livro: Julia Laura Esquivel
Editora: Martins Fontes
Nº de páginas: 205

Quando vi a capa do livro, o que mais chamou a minha atenção... foram as cores fortes; elas me lembraram as obras da Frida Kahlo.     

O livro é sobre... as escolhas que temos que fazer na vida, e sobre os sentimentos que nos carregam nos braços quando as tomamos. Além disso, é sobre como podemos continuar sendo quem somos apesar de tudo ao nosso redor querer que mudemos nossa essência.

Eu escolhi este livro porque... depois de ler Garcia Marquéz, me deu vontade de continuar lendo literatura latino americana. 

A leitura foi... feita em um fôlego só, na verdade, quase sem fôlego.

O personagem que eu gostaria de matar é Rosaura. Porque ela era uma mulher sem nenhum pingo de personalidade, e que queria perpetuar os absurdos de sua mãe.

O trecho do livro que merece destaque: "Afinal, qualquer coisa pode ser verdade ou mentira, dependendo de que a gente acredite nas coisas verdadeiramente ou não" (p. 105)


A nota que eu dou para o livro: 5 - Adorei!

10 comentários:

  1. Oi Pati! Linda resenha, umas lágrimas desceram quietinhas...
    beijos!

    ResponderExcluir
  2. Acho que o que faz as obras de Esquivel e Marquez serem tão parecidas é o realismo fantástico presente em ambas as obras. Eu também adorei o livro e entrou para os favoritos do ano. :D

    Smacks pra ti!

    ps: só uma correção, o nome da escritora é Laura Esquivel e você colocou Julia. ;)

    ResponderExcluir
  3. Oi...
    Que linda sua resenha, também li para o desafio este livro, que coisa linda foi este livro apesar que odiei a escolha de Tita... Mas fazer o que né?? O livro é cheio de encantos;

    ResponderExcluir
  4. Patrícia, li esse livro ainda adolescente e era um dos meus livros de cabeceira. Morria de vontade de provar as receitas da Tita, tinha ódio mortal da mamãe Helena e achava o Pedro um banana, que não tinha coragem de sequestrar a Tita.
    Acho que o Pedro foi um dos personagens masculinos que eu menos amei. No fundo torcia pra Tita ficar com o doutor, muito mais bem resolvido que o banana do Pedro.

    ResponderExcluir
  5. Otima resenha, Patricia, tb gostei muito desse livro qdo o li. Vc ja viu o filme? Achei bom, bem fiel ao livro, nao estragaram a historia como acontece normalmente..bjs

    ResponderExcluir
  6. que chique! fiquei interessada... vou colocar na lista de possíveis proximos livros ta? hehehehe
    bjusss

    ResponderExcluir
  7. Li uma outra resenha desse livro, também por causa do DL, e o que a pessoa falou me deixou sem vontade de lê-lo. Mas fiquei com água na boca depois de ler o que você escreveu.
    Acho que esse é o problema das resenhas: cada livro é uma experiência diferente para cada pessoa. E depois de lê-las é inevitável ficar meio "inclinada" à opinião lá esposada, não é?
    Pelo menos agora tenho dois pontos de vista divergentes e acho, sinceramente, que vou procurar esse título para ler. Vai que eu gosto :)

    Bjs, adorei seu blog.

    ResponderExcluir
  8. Nossa, coisa boa ler seu texto, me fez lembrar de como eu gostei desse livro quando eu li, alguns anos atrás. E tem o filme também, que é bem bacana também. Ah que saudade desse livro. Uma pena que eu não o tenho, pois leria de novo em mordidas mais lentas e mastigando mais devagar, para saborear ainda mais o que ele tem a oferecer.

    ResponderExcluir
  9. Só depois de ler a resenha da Luara sobre esse livro é que passei a me interessar por ele... e depois dessa resenha linda sua, que praticamente me deixou sem palavras a comentar, o que mais posso fazer, senão acabar me rendendo a Laura Esquivel? :x

    ResponderExcluir
  10. Nossa, vc tem muita poesia na escrita e dá pra sentir a paixão que tem por suas leituras!

    ResponderExcluir

Entre e fique à vontade!
'Bora prosear, porque esse blog também é seu.
Obrigada por sua visita, e por sua opinião.
Seu comentário será respondido aqui, nesse espacinho, assim que possível.
Um beijo procê!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...