segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Sobre lâmpadas e coisas qualquer coisa...

Tirei daqui
Anteontem, a lâmpada do meu quarto queimou. Ela não se apagou apenas; fez um barulho, um estalo e despediu-se dessa vida para ir pra onde quer que a alma das lâmpadas [ou lâmpidas, pra ficar com mais cara de Adoniran] vão.

Daí que fomos, eu e minha mãe, procurar uma lâmpada pra colocar no lugar, e a única que estava disposta a trabalhar consegue ser mais fraca que a luminária que tenho no criado-mudo. Mas né, vai essa mesma, porque a janela do meu quarto é ínfima, e a luz que vem de fora não dá pra quase nada.

A lâmpada 'tá ali, na dela, me quebrando um galho, pra modo de meus pés e minha canela não saírem lépidos pelo quarto se encontrando com cama, mesa, cadeiras e outros móveis com comportamento violento.

Mas eu não gosto dessa lâmpada. Agora mesmo, enquanto escrevo esse texto, ela está me deixando irritada.Vejo essa luz fraca, com seu jeito qualquer coisa de ser, e, mesmo sabendo que ela está fazendo sua parte, ela não me convence.

E daí que na semana que passou eu estava mesmo pensando sobre as qualquer coisas que nós aceitamos em nossas vidas, e que vão ficando, e ficando pelo simples fato de, ninguém sabe por que, terem chegado ali. Às vezes pra quebrar um galho, às vezes porque era o que tinha pra ontem.

E ao olhar pra essa maldita lâmpada, eu me lembro de quantas coisas qualquer coisa eu já deixei irem ficando em minha vida, apenas pra não ter o trabalho de procurar algo que as substituísse. Ou pra evitar a fadiga de procurar, procurar, achar que achei o certo e, no fim das contas, perceber que vou ter que procurar de novo, porque aquele não serviu.

Quantas roupas eu já comprei pensando em ajustar uns dois dedinhos. Quantos sapatos já vieram morar no meu armário porque eu pensei que, depois de um certo tempo de uso, eles iriam lacear. Quantos livros eu já comprei só porque eu precisava comprar um livro, e o que eu queria não estava disponível na hora, então resolvi pegar qualquer um, só pra preencher o vazio, só pra matar a vontade.

Já faz algum tempo que tenho evitado esse tipo de comportamento. Um bom tempo, na verdade. Tento não achar substitutos mais fáceis, rápidos e cômodos pra colocar no lugar de outra coisa que queria tanto, mas que hoje não tem, quem sabe amanhã?

Não são raros os dias em que reclamamos de que algo nos falta, até porque, somos todos uma falta infinita. E é isso que nos move, nos impele a continuar buscando. Mas hoje, perto dos meus 3.0, penso que há certas coisas que não compensam ser caçadas. Ou mesmo substituídas por outras mais cômodas, mais prateleira de baixo...

Sim, do meu torto modo, tento falar de amor. Há muito que parei de procurá-lo em cada esquina, em cada olhar. Há muito que tenho me contentado com esse vazio, que às vezes vem em forma de fome insaciável. Há muito que espero que ele venha por si só, sem que eu tenha que ir atrás dele.

Tenho me contentado com todos os outros amores que me alimentam, e, em sua maioria, eles não são qualquer coisa. Meus amigos, meus livros, minhas músicas, meu trabalho, meu rock'n roll de fim de semana. Eles são o que me impede de buscar uma lâmpada menos potente pra colocar no lugar daquela que há muito se queimou.

Não é a mesma coisa, mas ao mesmo tempo não é qualquer coisa. É um quebra-cabeça no qual sempre há de faltar uma peça, mas uma peça que não dá pra achar em qualquer lojinha de 1,99. Um peça que não dá pra trocar por outra, porque o resultado nunca será o mesmo, e é capaz de a peça estragar com todo o resto do desenho.

Engraçado é que percebo os olhos de "por que ela está há tanto tempo sozinha?". Ninguém fala, mas todo mundo se pergunta. E pra falar a verdade, eu também me pergunto, mas não falo. Penso que prefiro ficar assim, com essa peça faltando, até o dia em que, num baú escondido, eu vá achar aquela que vai encaixar certinho no vazio da figura.

Não vou promover mutirões, como também não vou abrir caixa por caixa atrás dela. Muito menos aceitar uma peça qualquer coisa, só pra dizer olha! consegui! também tenho uma peça pra chamar de minha!

Quando se trata de amor, lâmpadas e quebra-cabeças não aceito nada menos do que o necessário.

É por isso que vou terminar esse texto sem sentido agora, e ir até o mercado comprar uma lâmpada. Porque, depois que eu me acostumar com essa meia-luz, com essa escuridão disfarçada, vai ser difícil ter coragem de procurar a lâmpada ideal de novo.

Um beijo procês.

13 comentários:

  1. Adorei este texto...Tbém já to saindo pra buscar minha lampada mais forte...Q soco no estomago!!!Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Nossa, adorei...pq esse seu texto cabe em qq coisa de nossas vidas, nao só amores....com qts coisas na vida a gente nao vai se acostumando so pra nao ter q se dar ao trabalho de procurar uma melhor....o comodismo tem q incomodar, se nao...a gente nao cresce. Obrigada pelas palavras...amanha mesmo vou atras da minha lampada tb....agora vou dormir. ....Bons sonhos...

    ResponderExcluir
  3. nossa, mt bom o texto patrícia! e vc ta certa, temos essa mania de nos contentarmos com os quebra galhos da vida e nunca arrumar de fato...

    espero q vc encontre logo a sua metade, mas sem se preocupar com o fato de ainda não tê-lo, uma h aparece! =]

    bjuss

    ResponderExcluir
  4. Sabe aqueles textos que você lê e pensa: eu poderia ter escrito isso porque é assim que eu me sinto? Pois é.

    ResponderExcluir
  5. e tu soube bem traduzir muito bem uma confusão que existia aqui, Pati. 'chegou, marcou a tua vida e foi embora' Tal qual uma lâmpada que ilumina e se esgota, se compararmos ou ligarmos isso ao amor, ele então tem tempo de vida útil? E se assim for, porque todos os poetas teimam em chamá-lo de eterno? É nessas coisas que eu acho graça. A gente se dedica a diversas lâmpadas de todas as formas, faz o possível e até mesmo o impossível para que elas durem, até que com o tempo, alcança o que desejava desde o início, no mínimo uma cumplicidade,de repente tu pensa em, sei lá, fazer uma brincadeira. Vê uma coisa que dentro do teu pensamento, chega a ser engraçado, afinal, em quase todos aqueles momentos essas lâmpadas estavam presentes. Até que as coisas começam a dar errado. Trocar a lâmpada pode seruma solução, mas há sim um certo receio com aquela que esteve tanto tempo contigo. Aliás, o pior é que essas lâmpadas são aquelas que a gente não consegue viver sem... rs

    beso.

    ResponderExcluir
  6. só consigo pensar em palavões para definir o que pensei quando li o texto.
    impublicáveis!!!

    ResponderExcluir
  7. Concordo plenamente com tudo o que vc disse, porém não posso deixar de pensar em algo que minha mãe martela minha mente dia sim outro também: "Minha filha, quem muito escolhe, acaba escolhida"! e aí me bate aquele medinho e penso: e o meu amor, será que nunca vem? será que existe um para mim? será que procuro no lugar errado ou já desisti de procurar??? Uiiiiiiiii medooooooo.

    ResponderExcluir
  8. Antes tarde do que nunca, q texto lindo! Parece que descreve minhas sensações...

    ResponderExcluir
  9. Antes tarde do que nunca, q texto lindo! Parece "desnudar" minhas sensações!

    ResponderExcluir

Entre e fique à vontade!
'Bora prosear, porque esse blog também é seu.
Obrigada por sua visita, e por sua opinião.
Seu comentário será respondido aqui, nesse espacinho, assim que possível.
Um beijo procê!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...