segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Pé de Cachimbo - Antonio Prata [Ipisis Literis]

Já fazia tempo que eu não postava um Ipsis Literis, né? Mas agora, com a animação master de o blog ter se tornado .com ['Cê viu, rapaz! O Ainda MininaMá 'tá crescendo!] [By the way, thanks a lot Sakai, pela graça alcançada, pela delicadeza, pela paciência e pelo trabalho! *-* ], minha vontade é de encher este muquifo de posts.

De modo que vou voltar pros nossos Ipsis Literis das segundas-feiras. E pra voltar com a corda toda, que tal um 'cadinho da fofura de Antonio Prata, aquele lindo?

Pé de Cachimbo

"Hoje é domingo, pé de cachimbo", eu cantava, quando era pequeno, e me vinha à cabeça uma árvore de madeira escura, com pencas de cachimbos pendendo das pontas dos galhos, prontos para serem colhidos e fumados. Fiquei um pouco desapontado, lá pelos dez anos, ao descobrir que o certo era "pede" cachimbo. Corrigi a música, mas o domingo, não: pra mim, ele continua sendo esse quadro pintado por Magritte e Dalí, com sua frondosa oferta de descanso e generosa sombra de melancolia.

Devo dizer que não gosto de domingos nem de cachimbos, mas sei que o errado sou eu, não eles. Queria muito ser uma pessoa que acorda cedo, que vai ao parque. Um desses caras que eu vejo do carro, pedalando pela ciclovia, a mulher ao lado e um filho atrás, em sua bicicletinha. Dá uma alegria vê-los ali, passeando pela cidade. Enquanto permanecem no meu retrovisor, parece que o mundo é justo e que cada coisa está em seu devido lugar. É mais ou menos o que sente, imagino, o sujeito que chega à varanda, ao fim de um dia de trabalho, ou afunda na poltrona, meditabundo, para fumar o seu cachimbo.

Escrevo "meditabundo" e, por um momento, quase comungo desta alegria dominical, tirando as palavras velhas do armário para tomarem sol ou pitando-as calmamente, sem tragar, só para saboreá-las. Mas, meditabundo que me encontro --é domingo--, a sombra do pé de cachimbo logo me alcança: não sou esse homem na ciclovia nem esse outro, em sua varanda, em sua poltrona, com o vento no rosto ou a fumaça na boca, displicentemente instalados no presente.

Acho que, no fundo, tenho dificuldades é com o presente. Outro dia, reparei que sempre escovo os dentes com pressa, como se estivesse atrasado para um compromisso. Que compromisso é esse? Não sei. É como se houvesse nascido atrasado, chegado ao mundo meia hora depois e a todo instante tentasse recuperar os minutos perdidos. Talvez por isso me sinta mais acolhido nos dias de semana, dedicados ao trabalho e suas promessas. Alguma hora, ali adiante, a crônica estará pronta, o livro estará editado, o roteiro estará filmado e a concretização desses projetos, acredito, me trará sei lá que conforto, sei lá que certeza sobre mim mesmo --mas nunca traz. Por que se agoniar olhando para a direita do ponto final em vez de se contentar com o que há à esquerda? (Um dia, estarei eu à direita do ponto final e aí não haverá mais o que olhar.)

Ano passado, comprei uma bicicleta. Ao tirá-la da caixa, senti certa vergonha de mim mesmo, como um velho que sai da loja calçando All Stars vermelhos: aquilo não era eu, nem poderia mudar-me. Por meses a bicicleta se tornou só mais uma pequena emissora de ansiedade --preciso usar essa bicicleta, preciso usar essa bicicleta, preciso...--, depois seus pneus murcharam e eu soube que já não era por ela que eu escovava os dentes com pressa.

Talvez eu devesse comprar é um cachimbo. Nem que fosse para enterrá-lo no jardim, regá-lo todo dia e ficar na varanda, olhando pra grama e esperando, num exercício zen, em busca da paz interior. É isso: preciso comprar um cachimbo, preciso comprar um cachimbo, preciso.

Fonte: 28/07/2013 - Coluna de Antonio Prata na Folha de São Paulo

2 comentários:

  1. Caramba, é como um presente viajar pela internet e encontrar uma postagem como essa. Excelente texto, muito bem selecionado! Me remeteu à minha última viagem, em que eu me segurei para não comprar uma câmera fotográfica nova. Por que, no final das contas, de que serviriam as fotos? Apenas para eu mostrar-para ninguém-nas redes sociais. E aonde fica o "aproveitar a viagem"? Pois é.
    Engraçado que esse sentimento de urgência também se encontra na leitura. Que atire a primeira pedra quem numca pensou em algo como "Preciso terminar esse livro pra comeaçar outro!" ou "Vou ler a noite toda para descobrir o final da história!"

    Acho que as ideias não possuem ligação entre si e com o texto, mas acho que essa é a graça da reflexão.

    ResponderExcluir

Entre e fique à vontade!
'Bora prosear, porque esse blog também é seu.
Obrigada por sua visita, e por sua opinião.
Seu comentário será respondido aqui, nesse espacinho, assim que possível.
Um beijo procê!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...